quinta-feira, 6 de junho de 2013

Guerra Fria e Bipolaridade


1939-45 – Segunda Guerra Mundial
Entre os anos de 1939-45, o mundo conheceu o pior de todos os conflitos, a Segunda Guerra Mundial.
 
Derrocada (ruína) de antigas potências
Os aliados venceram a guerra, porém o mundo assiste a derrocada de antigas potências européias, como: França e Reino Unido e o surgimento de duas novas superpotências: os EUA e URSS.


Guerra Fria
Apesar da vitória dos aliados, os EUA e URSS, após a Segunda Guerra Mundial passaram a atuar política e economicamente em campos distintos. Esse período foi marcado pela Guerra Fria, tensão política entre os EUA e URSS. O termo refletia a situação de hostilidade entre os dois países. A Guerra Fria foi marcada pela corrida armamentista e nuclear e pela disputa de zonas de influência em todo o cenário mundial. A guerra recebe o nome de fria, porque os países nunca chegaram a um conflito real.
 

Zonas de Influência e Bipolaridade
Com a Guerra Fria, o mundo ficou dividido entre duas formas político-econômicas distintas:

Capitalismo e Socialismo.
Uma das características da Guerra Fria foi a disputa por zonas de influências, ou seja, a busca por aliados que adotassem a forma político-econômica do país dominador. Assim o mundo ficou dividido entre duas formas político-econômicas distintas: o capitalismo e o socialismo. O Primeiro tendo como representante os EUA e o segundo a URSS. Essa divisão ficou conhecida como Bipolaridade.

Conflitos durante a Guerra Fria
Neste contexto, o mundo viveu vários conflitos que ganharam a atenção mundial e aumentaram o perigo de uma Guerra Nuclear
A crise de Berlim: Em 1945,  Berlim foi dividida em quatro zonas de ocupação: EUA, Reino Unido, França e URSS. Em 1949, devido as divergências entre os aliados, as zonas de ocupaçã9o deram origem a dois países: Alemanha Oriental (Comunista) e Alemanha Ocidental (Capitalista).
Em 1961, para conter o fluxo migratório da Alemanha Oriental para a Ocidental, mais atraente do ponto de vista econômico, constrói-se o MURO DE BERLIM.

 
1950\53 – Guerra da Coréia – país ficou dividido com a ocupação soviética ao norte e americana ao sul
1961\62 – Crise dos mísseis cubanos.
1960\75 – Guerra do Vietnã
 

Divisão em três mundos

O período da guerra fria foi marcado pela divisão dos países em três mundos que foi utilizada para diferenciar os países de acordo com o seu grau de desenvolvimento e sistema sócio-econômico adotado:

 
Países do 1º mundo: capitalistas desenvolvidos industrializados
Países do 2º mundo: Socialistas (desenvolvidos e subdesenvolvidos). Esses países em geral, conseguiram avanços sociais, mas não desenvolveram tecnologia de ponta na indústria.
Países do 3º mundo: Capitalistas subdesenvolvidos. Normalmente são exportadores de matérias-primas e apresentam graves problemas sociais.

 
Linha Norte-Sul
Com o fim da guerra fria, após a extinção da URSS, em 1991 criou-se uma nova divisão mundial que classifica os países majoritariamente ao norte como desenvolvidos e os do sul (exceto a Austrália e Nova Zelândia) como subdesenvolvidos.

 
As crises do socialismo Real
1917- Revolução Russa – Implantação do socialismo na Rússia.
1922 – Formou-se a partir do domínio russo a URSS. O país ficou assim constituído até 1991.

 Proposta de mudanças estruturais
Em 1985, sobe ao poder Mikail Gorbatchev que propõe mudanças estruturais na política e economia do país.

 

Tipos de Mudanças propostas
Glasnost: Abertura política que propunha acabar gradativamente com a burocracia dominante e possibilitar a criação de novos partidos políticos, derrubando o poder absoluto dos PCUS.
Perestroika: Abertura econômica – seu objetivo era dinamizar tanto os setores industriais de base como bens de consumo, que apresentavam atraso tecnológico, e incentivar a entrada de capitais estrangeiros no país.


Propostas não agradam
As propostas não agradaram nem conservadores e nem aos reformistas. Então Gorbatchev  tentou assinar um acordo que transformasse a URSS em uma Comunidade de Repúblicas Autônomas para evitar a desagregação, que também fracassou.

 
Independência dos Países Bálticos
Em janeiro de 1991, o governo soviético enviou tropas para a  Lituânia, uma das Repúblicas Bálticas que, juntamente com a Estônia e Letônia, declararam-se independentes. Porém em setembro de 1991, Os países Bálticos: Lituânia, Estônia e Letônia foram reconhecidos como países independentes. E admitidos na ONU onze dias depois.

 Extinção da URSS
Em 25.12.1991 a URSS foi extinta e Gorbatchev renunciou. a Rússia tomou o seu lugar na ONU.

Queda do Muro de Berlim - 1990

Em 1990, o Muro de Berlim foi derrubado iniciando a unificação da Alemanha.

Segunda Guerra Mundial (1939-1945)


 

Principais Causas da Guerra
a-) O Tratado de Versalhes: Os alemães consideraram as imposições duras e humilhantes.
b-) Expansionismo Alemão: Na tentativa de criar um espaço vital (Reich - Império) de que os alemães teriam direito como povo superior. Hitler inicia uma série de invasões.
 
 
Recuo da França e Inglaterra
A França e a Inglaterra diante das violações do Tratado de Versalhes recuam e não tomam nenhuma medida para “brecar” a Alemanha.

 
Motivos:
Receio de uma nova guerra de âmbito mundial.
Problemas internos franceses: A França estava dividida por causa de conflitos internos entre os partidos de orientação marxista e as forças tradicionais burguesas que se mostraram simpatizantes ao Fascismo.
A Inglaterra e a França sabiam que estavam despreparadas para uma nova guerra.
 
 
Política de Apaziguamento
Os franceses e ingleses adotaram uma política de apaziguamento que consistia em ceder as violações da Alemanha, na esperança que Hitler, estando satisfeito, não arrastasse a Europa para outra guerra mundial. Essa política não funcionou como se esperava, porque a Alemanha tornou-se mais forte e o povo alemão mais dedicado ao Fuhrer (líder). Hitler não moderou suas ambições, e os apaziguadores não evitaram a guerra.

 
Remilitarizacão Alemã
A Alemanha tinha o desejo de realizar seus objetivos consoante a sua política externa de expansão territorial. Assim necessitava de uma formidável máquina militar, por esse motivo iniciou seu rearmamento.

 
Rompimento do Tratado de Versalhes – 1935
Em marco de 1935, Hitler declara que a Alemanha não se julgava mais obrigada a obedecer ao Tratado de Versalhes.
 
 
Principais Medidas
Restabeleceu o recrutamento militar obrigatório.
Construiu uma força aérea
Fortaleceu sua marinha
A França e a Inglaterra não ofereceram nenhuma resistência.

 
Envio de Tropas Para a Renânia
No dia 07 de Marco de 1936, Hitler envia tropas para a Renânia, violando o Tratado de Versalhes, que exigia a desmilitarização da região. A Renânia era próxima ao Rio Reno e fazia fronteira com França.
A França e a Inglaterra não se importam: afinal estava enviando tropas para seu próprio território.

 
Criação do Espaço Vital Alemão
Com o intuito de criar o espaço vital, Hitler inicia o expansionismo da Alemanha Nazista.
a-) Anexação da Áustria
Em abril de 1938, a Áustria é anexada a Alemanha sem o disparo de um único tiro. Ele consegue isso, afirmando que os alemães e austríacos formavam um único povo germânico e deviam viver sob comando de um só Estado.
Através de um plebiscito realizado em abril de 1938, Hitler anexa a Áustria a Alemanha. O motivo da facilidade era o fato do nazismo ser muito popular no povo austríaco.

 
b-) Anexação dos Sudetos
Essa região pertencia a Tchecoslováquia e habitada por 3 milhões de alemães.  O governo alemão acusava o governo tcheco de oprimir os cidadãos alemães. O governo tcheco, por sua vez, dizia que as acusações eram pura invenção de Hitler.  O que ele queria de verdade era um pretexto para invadir a Tchecoslováquia.

 
Conferência de Munique
O acordo para a anexação dos sudetos aconteceu na “Conferência de Munique”. Ela contou com a presença da Alemanha, Itália, França e Inglaterra. Os tchecos, principais interessados, foram impedidos de participar da reunião.
Franceses e ingleses decidiram ceder mais uma vez, dentro da política de Apaziguamento, ao pedido de Hitler, pensando que seria a última reivindicação territorial de Hitler, mas erraram.

 
Invasão da Tchecoslováquia
Seguindo ordens de Hitler, o exército alemão, ocupou os sudetos e o restante da Tchecoslováquia. Desrespeitando o que havia sido combinado na “Conferência de Munique”.

 
Pacto secreto com a URSS
Em agosto de 1939, a Alemanha assina um pacto secreto com a URSS de não agressão e decidem ocupar a Polônia dividindo-a entre as duas potências. Pouco depois, em setembro, tropas alemãs invadem a Polônia pelo oeste e a URSS pelo leste. Diante do ataque à Polônia, a Inglaterra e a França declaram guerra à Alemanha. Era o início da Segunda guerra Mundial.

 
Segunda Guerra Mundial – Dividida em Duas Fases
A Segunda Guerra Mundial (1939–1945) envolveu boa parte dos povos do mundo. Os principais choques ocorreram na Europa, no norte da África e no extremo Oriente. Porém a guerra pode ser dividida em duas fases: A guerra na Europa e a guerra no mundo.
 
 
Primeira Fase: Guerra na Europa (1939-1941)
Essa fase caracterizou-se pela rápida ofensiva de forças nazistas, chamada Guerra – Relâmpago. Marcada pelo rápido avanço dos tanques blindados, apoiados pela aviação sobre as linhas de defesa adversária e finalmente as tropas de ocupação, consolidando a vitória alemã.

 
Conquistas Alemãs
Dinamarca (09/04/1940)
Holanda (15/05/1940)
Bélgica (28/05/1940)
Noruega (10/06/1940)
França (14/06/1940)

 
Entrada da Itália
Após a derrota da França, a Itália entra na guerra ao lado dos alemães.

 
Entrada dos EUA e URSS – 1941
No ano de 1941, ocorreram dois fatos que mudariam os rumos da guerra:

 
a-) Entrada da URSS
Rompendo os acordos anteriores, Hitler invade a URSS (22 de junho de 1941). A URSS declara guerra a Alemanha.

 
b-) Entrada dos EUA
O Japão que apoia a Alemanha e a Itália, ataca a base militar em Pearl Harbor no Oceano Pacífico no dia 08 de dezembro de 1941. Os EUA declaram guerra ao Japão, Itália e Alemanha.

 
Segunda Fase: Guerra no Mundo (1942-1945)
Com a participação da URSS e dos EUA formaram-se dois grandes em conflito:
a-) Eixo: Alemanha, Itália e Japão.
b-) Aliados:  Inglaterra, EUA, URSS, França, Brasil, entre outros.

 
Invasões da URSS (1941-1942)
No período de 1941-1942, o exército alemão entra em Stalingrado. Nessa cidade ocorreram as mais sangrentas batalhas de toda a guerra. O comando alemão percebeu a enorme dificuldade de prosseguir, mas recebeu ordens diretas de Hitler para não retroceder.

 
Fim do Mito da Invencibilidade Alemã
A partir de 19 de novembro de 1942, iniciou-se uma grande ofensiva do exército soviético que terminou com a rendição das tropas alemãs em fevereiro de 1943. Pela primeira vez, desde o início da guerra, tropas alemãs foram obrigadas a se render.
A batalha de Stalingrado colocava fim ao mito da invencibilidade alemã. Aqui começa a derrota da Alemanha nazista.
A partir de Stalingrado, os soviéticos foram conquistando, um por um, os países antes controlados pelos nazistas. Os soviéticos foram os primeiros no final da guerra a entrar vitoriosamente em Berlim.

 
Bombardeio Aliado Sobre a Alemanha
A partir de 1942, os aliados iniciaram uma série de bombardeios sobre as grandes cidades alemãs. Esses bombardeios intensificaram-se até 1945. Aos poucos, os aliados destruíram as reservas de combustível e as redes de comunicações deixando os tanques, aviões e carros sem combustível e impossibilitou as tropas alemãs se comunicar.

 
O Dia D e a Rendição Alemã
Uma grande ofensiva foi cuidadosamente planejada pelos aliados, o chamado dia “D”. (Na terminologia militar, significa a data escolhida para a realização de uma operação, como por exemplo, o ataque a forças inimigas).
 
 
Dia “D” – Desembarque na Normandia
No dia 06 de junho de 1944, as tropas aliadas desembarcaram na Normandia (França) e fizeram o mais forte ataque contra as tropas alemãs. Esse dia ficou conhecido como o dia “D”.
Os nazistas resistiram com todo poder bélico, inclusive recrutando crianças e mulheres para lutar contra os aliados.
 
 
Dia da Vitória na Europa
Finalmente no dia 08 de maio de 1945, deu-se a completa rendição da Alemanha. Esse é considerado o dia da vitória na Europa.
 
 
A Bomba – Atômica e a Rendição Japonesa
No Extremo Oriente, a guerra prosseguiu por mais quatro meses, até a rendição do Japão, em setembro de 1945.
Os EUA que desde o ataque de Pearl Harbor (1941), vinham combatendo os japoneses desferiram o golpe definitivo em agosto de 1945. Numa demonstração do seu poder militar ao mundo lançaram duas bombas atômicas em território japonês: a primeira em Hiroshima e a segunda em Nagasaki.
Nas duas cidades morreram, instantaneamente cerca de 200 mil pessoas. Depois milhares morreram em consequência da radiação.

 
Bomba Atômica – Crime de Guerra
O presidente dos EUA Harry Truman afirmou que as bombas foram utilizadas para apressar a rendição dos japoneses. Entretanto para muitos analistas, o uso da bomba no Japão, foi um crime de guerra destinado a impressionar a URSS e a marcar sua força política, tendo em vista a nova ordem internacional do pós-guerra.

 
As vítimas do conflito
A brutalidade da guerra provocou a morte de milhões de pessoas, entre militares e civis. O resultado final do conflito foi estimado em:
- 55 milhões de mortos
- 35 milhões de feridos
- 20 milhões de órfãos
- 190 milhões de refugiados.
Aproximadamente 6 milhões de judeus foram exterminados pelos nazistas nos vários campos de concentração.

 
Tribunal em Nuremberg
Entre os anos de 1945 e 1946, instalou-se na cidade de Nuremberg um tribunal militar internacional que condenou os principais líderes nazistas, por crimes contra humanidade. Onze deles foram condenados à morte por enforcamento.